Astronomia > Notícias

Oportunidade única para conhecer o centro galáctico

(1/1)

PauloSantos:
Durante um breve período em Abril, de 2006, a região activa que rodeia o buraco negro supermassivo no centro da Via Láctea diminui ligeiramente de brilho. Dez fontes de radiação de alta energia diminuiram simultaneamente de intensidade durante um pequeno intervalo de tempo, o que permitiu à sonda Integral da Agência Espacial Europeia (ESA) obter imagens das regiões menos brilhantes que normalmente não são visíveis.

A sonda Integral faz uma cobertura permanente de cerca de 80 objectos de raios-X muito brilhantes localizados próximos do centro galáctico.


Imagem "normal" da região do centro da Galáxia em raios X.
Crédito: ESA-Integral(IBIS/ISGRI)


Imagem da região do centro da Galáxia em raios X obtida pela Integral no período de "acalmia".
Crédito: ESA-Integral(IBIS/ISGRI)

Os objectos que são monitorizados são quase todos binários de raios-X, em que uma estrela normal está associada a um objecto que resultou do colapso de uma estrela colapsada, como uma anã branca, uma estrela de neutrões ou até um buraco negro.

Nestes sistemas binários, se os dois objectos estiverem suficientemente próximos é acretado gás da estrela que espirala em direcção ao companheiro compacto. Este material aquece até cerca de um milhão de graus Celsius o que causa a emissão de raios X.

O acontecimento que permitiu as observações foi um acontecimento perfeitamente aleatório que baixou a intensidade da radiação emitida pelos objectos mais brilhantes, permitindo a observação de objectos mais ténues que normalmente estão obscurecidos.

Os astrónomos esperam que as observações permitam encontrar novos binários de raios-X ou emissão de radiação por nuvens moleculares gigantes. Esperam inclusivamente serem capazes de detectar radiação de alta energia que tenha sido emitida em torno do buraco negro supermassivo do centro da Via Láctea.

O trabalho da sonda Integral vai continuar ao longo deste ano desejando-se que possam surgir novas oportunidades mais observar fontes de menor intensidade durante o seu período de actividade.

Link: ESA Press Release

Fonte: Centro de Ciência Viva do Algarve

Navegação

[0] Índice de mensagens

Ir para versão completa